O perfil do profissional de Relações Internacionais está em constante evolução.

Como essa profissão é bastante influenciada pela velocidade da globalização, as exigências mudam com o passar dos anos.

Neste post, vamos apresentar a você o que é preciso desenvolver para ter sucesso nessa carreira.

Perfil do profissional de Relações Internacionais

O profissional de Relações Internacionais tem como objetivo aproximar agentes para parcerias e negócios.

Seja no setor público ou numa empresa privada, o internacionalista tem como principal atividade a negociação.

A formação desta carreira é generalista. Ao longo da faculdade, o universitário terá contato com uma gama variada de disciplinas.

O conhecimento técnico é indispensável para o exercício da função. Contudo, são as competências comportamentais, chamadas de soft skills, que fazem diferença para crescimento na carreira. 

QUERO VER!

Habilidades essenciais do internacionalista

O salário do internacionalista é proporcional ao seu tempo de experiência e ao seu currículo.

Profissionais em nível sênior tem maior empregabilidade já que dominam a rotina da área. 

O maior reconhecimento a essas pessoas se deve ainda ao fato deles terem uma série de habilidades bem desenvolvidas.

Saiba o que os recrutadores esperam de um profissional de Relações Internacionais:

Pensamento estratégico

O dia a dia do internacionalista exige grande capacidade de antever cenários para criar estratégias.

Quanto maior o número de agentes envolvidos em uma ação, maior a necessidade de alinhar expectativas e romper objeções.

Trabalhar nessa área é como jogar uma partida de War. A cada momento é preciso analisar as possibilidades do concorrente para derrubar barreiras e conquistar novos territórios.

Pessoas que se interessam por jogos de estratégia, normalmente, tendem a se dar bem nesse ramo.

Entenda qual é o perfil do profissional de Relações Internacionais

Visão sistêmica

Como o próprio nome da profissão já adianta, a base dessa carreira são os relacionamentos. Por isso, essa é uma atividade que está sempre ligada a atividades em grupos.

Em alguns casos, há uma grande complexidade de entidades e agentes envolvidos em um projeto. Em especial, quando se trata de uma ação que envolve dois ou mais países.

Portanto, o internacionalista deve ser capaz de enxergar os cenários como um todo. Deve observar todas as peculiaridades envolvidas para chegar a uma solução que agrade a todos.

Perfil humanista

Antes de mais nada, o curso de Relações Internacionais é feito para pessoas. Todas as práticas estudadas visam atender os desejos das partes envolvidas, respeitando as diferenças.

Normalmente, quem se interessa por essa graduação está preocupado com o futuro do próprio país e do mundo.

Costumam ser pessoas engajadas em causas sociais e atentas aos desejos dos outros. Sofrem com as desigualdades sociais e buscam uma maneira de contribuir para resolver essas questões.

Adaptabilidade

A flexibilidade é uma característica fundamental para ter sucesso na carreira de Relações Internacionais.

O dia a dia exigirá que o profissional tenha jogo de cintura para resolver problemas e superar obstáculos.

A adaptabilidade está ligada à capacidade de a pessoa de criar novas estratégias frente a desafios. Diz respeito à criatividade para encontrar alternativas para situações recorrentes e rotineiras.

Rapidez

O mundo globalizado é ágil e está em constante transformação. Por isso, as carreiras impactadas diretamente por esse fenômeno estão em mutação permanente. No caso de Relações Internacionais, não é diferente.

Muitas vezes, o mercado de trabalho exige que o profissional assuma riscos e tome decisões rápidas.

A agilidade na tomada de decisão é muito bem-vista pelos recrutadores da área. Principalmente, quando vem acompanhada por segurança e bagagem técnica para justificar o caminho eleito.

Curiosidade

Um bom internacionalista sabe que sempre haverá possibilidade de desenvolvimento pessoal e profissional.

A curiosidade é uma competência muito desejada neste setor. Está relacionada ao interesse do internacionalista em buscar nas tendências de mercado e novas formas de atuação.

Esta é uma carreira que exige capacitação constante. É preciso sempre estar atualizado sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Além disso, é recomendado que o profissional passe por reciclagens periódicas para rever suas práticas e praticar a melhoria contínua.

Foco

Como já dissemos, em um só dia, é possível lidar com realidades muito distintas que vão exigir concentração.

Ter foco é essencial para não se deixar paralisar pelas tarefas e conseguir entregá-las no prazo.

Pessoas focadas são mais produtivas e entregam resultados mais consistentes. Logo, têm mais chances de serem reconhecidas nas empresas, acelerando sua carreira.

Facilidade de networking

Profissionais tímidos e introspectivos dificilmente terão sucesso como internacionalistas. 

Essa atividade requer ampla capacidade de comunicação interpessoal e facilidade para criar contatos.

O networking é uma prática fundamental no dia a dia da profissão. Quanto maior o número de contatos, maior a chance do negócio ser bem-sucedido.

Esse é o curso perfeito para quem tem facilidade de fazer novas amizades e sabe nutrir esses relacionamentos.

Esse hábito pode ser cultivado antes mesmo de formado, ainda durante os semestres letivos com apoio de colegas e professores.

Entenda qual é o perfil do profissional de Relações Internacionais

Tolerância

Ao longo da sua carreira, o internacionalista terá contato com culturas bem diferentes da sua.

A tolerância é uma competência essencial para que os profissionais acolham a diversidade multicultural, sem julgamentos.

Tolerar o jeito do outro quer dizer valorizá-lo, sem questionar seus comportamentos e hábitos.

Empatia

Desenvolver a empatia é cada vez mais importante no cenário atual.

Essa habilidade consiste em se colocar no lugar do outro, acolhendo suas qualidades e defeitos sem questionamento.

Assim como a tolerância, é importante para que os profissionais saibam como agir diante de pessoas de culturas diferentes.

As pessoas que conseguem praticar a empatia têm mais chance de chegar em cargos de liderança nas empresas. 

Autoconhecimento

Olhar para dentro de nós mesmos é um exercício desafiador, porém, muito necessário.

O autoconhecimento é a receita para o desenvolvimento da inteligência emocional, uma das soft skills mais buscadas pelo mercado.

Quem está compromissado com o autoconhecimento está sempre em constante evolução pessoal e profissional.

Mercado de trabalho

Como você pode notar, o perfil do profissional de Relações Internacionais é bem focado em habilidades de negociação e relacionamento.

Ao longo do curso, serão aplicadas algumas atividades práticas para que o aluno desenvolva essas competências. Contudo, ter experiência no mercado de trabalho é importante para complementar o currículo.

Quer saber mais sobre essa área de atuação? Descubra tudo sobre RI clicando neste link.

BAIXAR GRÁTIS!