Sabia que a carreira diplomática é extremamente promissora? Na medida em que as relações entre países avançam de maneira acelerada, esse trabalho se torna cada vez mais importante. Mas, afinal, como ser diplomata?

Se você considera seguir esse caminho, saiba que ele é repleto de desafios. No entanto, esse guia definitivo reúne dicas valiosas para se dar bem e ser um profissional de sucesso. Confira!

BAIXAR GRÁTIS!

O que é um diplomata e qual é sua importância para o país?

O diplomata nada mais é do que a pessoa que representa a República Brasileira em outros países. Seu trabalho é exercido no Itamaraty, onde cumpre atividades vinculadas ao Ministério das Relações Exteriores.

Esse órgão é constituído para auxiliar o Presidente da República em decisões relacionadas a políticas externas e suas execuções. Além de avaliar acordos e tratados de diversos tipos.

E por que o profissional é tão importante para o país? Bem, toda nação precisa lidar com as consequências da globalização e manter uma boa conexão com outros países. O diplomata entra em cena para fazer o intermédio.

Seu objetivo principal é atender os interesses do país que representa no exterior. Mas ele também faz a mediação de conflitos e atua em favor de outros conterrâneos que moram fora. 

Basicamente, a falta de um representante faz com que o país fique isolado do resto do mundo.

Quais são as principais funções de um diplomata?

Bom, como você viu, o diplomata trabalha para favorecer interesses de seu país e estabelecer boas relações no exterior. Mas, na prática, essa profissão tem três principais funções. Veja quais são elas!

Representação

O diplomata representa seu país em cerimônias e atividades de protocolos. Está presente em posses, inaugurações, pronunciamentos, entre outros.

Em alguns casos, tem autorização para assinar documentos oficiais como contratos e tratados entre países.

Negociação

Todo mundo sabe que as nações ao redor do mundo buscam novas oportunidades em outros territórios, seja para a economia ou para a política. E que, para tanto, oferecem também recursos próprios em troca.

Diante desse cenário, o diplomata toma a frente nesse tipo de negociação. Sua missão é buscar acordos favoráveis para as partes envolvidas, mas, especialmente para seu país.

Informação

Negociações inteligentes são possíveis apenas quando há acesso à informação. Essa é considerada a moeda de troca mais poderosa.

Dessa maneira, o diplomata seleciona, adquire e repassa informações específicas para guiar a política externa e as relações internacionais do país que representa. Mas toda essa movimentação acontece conforme a autorização do Ministério de Relações Exteriores.

Quanto ganha um diplomata de acordo com suas funções?

Algo que não é segredo para ninguém é que o salário de um diplomata é bastante interessante. 

A remuneração inicial de um aprovado é de R$ 19.199,06 (para ocupar a posição de terceiro secretário; ver página 74 da tabela de remuneração dos servidores públicos federais divulgada em 2020).

Entretanto, as promoções na carreira são frequentes. Com isso, os valores também aumentam.

Um conselheiro, classe mais alta dentro da profissão, ganha cerca de R$ 24.500,44 por ano. Vale lembrar, ainda, que há correções todo ano, e por isso o salário também cresce mais.

Para ser promovido, alguns critérios são avaliados, como:

  • idade;
  • merecimento;
  • tempo de permanência de pelo menos três anos em cada classe (sendo elas, da menor para a maior: terceiro secretário, segundo secretário, segunda classe, primeiro secretário, primeira classe e conselheiro);
  • tempo de atuação no exterior;
  • tempo de exercício da profissão;
  • cursos específicos para aperfeiçoamento do currículo.

Ou seja, nada de passar no concurso e ficar por isso mesmo. Essa é uma profissão que exige estudo contínuo e muita responsabilidade, algo que influencia não apenas em ganhos, mas na reputação do diplomata.

Quais as vantagens em escolher essa profissão?

E antes de falar sobre como ser diplomata, é interessante entender quais as vantagens em escolher essa profissão. Elas não são poucas e estão listadas a seguir!

Viaje pelo mundo

A carreira diplomática pede muitas viagens ao exterior. O Brasil tem relações com os 192 países que fazem parte da ONU, o que exige missões constantes do diplomata nessas nações.

Além disso, você terá posto fixo em um desses países. E, ao longo dos anos, poderá ser transferido e iniciar a experiência em uma nação totalmente diferente, com novos costumes, normas, formas de governar e mais.

Conheça novas culturas

A diplomacia oferece a grande oportunidade de interagir com culturas diferentes. Assim que você for aprovado no CACD, é possível ter contato com pessoas de outros países.

Durante sua atuação, você também vai se deparar com condições de vida e realidades bem diferentes. Tudo isso acrescenta uma bagagem importante para seu lado pessoal e profissional.

Atue em diversos campos

O diplomata tem várias funções, mas pode se concentrar naquelas com as quais mais se identifica e atuar em diversos campos. Por exemplo, quem gosta mais de lidar com laços comerciais, pode se concentrar no Ministério de Relações Exteriores.

A cooperação internacional é promovida, ainda, dentro de vários setores do Itamaraty. Você pode trabalhar com foco em cultura, economia, política, administração, turismo e muito mais.

Tenha estabilidade financeira

A gente mostrou aqui que o salário do diplomata é bastante interessante, certo? E, como esse profissional é um servidor público federal, isso assegura estabilidade financeira.

Isso é algo prioritário na vida de muita gente, mas que muitas profissões demoram a alcançar. Na diplomacia, desde o começo você consegue se estabelecer muito bem.

Aproveite o dinamismo da carreira

De fato, um diplomata lida com uma vida intensa de escritório. É muita papelada e burocracia para resolver, mas isso não significa que as tarefas são monótonas.

Você terá que lidar com períodos de crise, ficar de olho em oportunidades e traçar estratégias constantemente. 

Para completar, a rotatividade de postos é alta, então você pode se mudar de país com frequência e recomeçar sua atuação com uma nova visão de mundo.

Atualize-se constantemente

Se você gosta de estudar e de aprender, essa é a profissão certa. É impossível se tornar diplomata e não continuar a se atualizar constantemente.

Você precisará fazer vários cursos, ler muitos livros, estudar novas línguas, e assim por diante. Dessa forma, acrescentará experiência e conhecimento no seu currículo.

Qual é a diferença entre embaixador e diplomata?

Agora, uma curiosidade: muita gente acha que embaixador e diplomata têm as mesmas funções. Mas não é bem assim.

Na verdade, embora uma dependa da outra, existem alguns pontos que valem ser comparados para entender melhor essa questão. Vamos lá?

Diplomata

O diplomata representa o Brasil no exterior, pode trabalhar no Itamaraty e em consulados brasileiros fora. Ele permanece de dois a cinco anos em cada posto. 

Depois de uma carreira longa, o profissional pode exercer a função de embaixador.

Embaixador

O embaixador é o mais alto representante do país em um território estrangeiro. Porém, ele só pode ser nomeado pelo Presidente da República.

Pode permanecer até cinco anos em cada posto e depois deve retornar ao Brasil para passar mais um período. E, posteriormente, ser encaminhado a outra nação.

E então, deu para entender? O diplomata pode se tornar um embaixador, mas somente por meio dessa nomeação oficial. É uma jornada intensa para conseguir esse objetivo, mas não é impossível, caso seja sua ambição.

Afinal, como ser diplomata e iniciar a carreira?

Gostou do que viu sobre essa profissão até aqui? Então, é hora de entender exatamente como ser diplomata e o que fazer para iniciar essa carreira. Os dois pré-requisitos fundamentais para dar o primeiro passo são os seguintes:

Graduação em Relações Internacionais

Há quem pense que o curso de Direito é o único possível para quem deseja a diplomacia. Contudo, a graduação em Relações Internacionais é, também, uma excelente escolha para se preparar.

O curso é do tipo bacharelado e dura 4 anos. É bastante completo e oferece a base perfeita para a atuação de um diplomata: Política, Economia e Direito.

E ainda engloba, em sua grade curricular, disciplinas como Sociologia, História, Estudos Estratégicos, Direitos Humanos, e muito mais. 

Vale lembrar que não há um curso superior obrigatório para ser diplomata: você simplesmente pode ser graduado em qualquer área.

Porém, estar dentro de áreas afins será um enorme diferencial para seu currículo e exercício da profissão. Por isso, vale muito a pena investir em Relações Internacionais.

Língua estrangeira

Para ser diplomata, é indispensável dominar as três línguas estrangeiras mais faladas no mundo: inglês, francês e espanhol. Além da sua língua nativa, que no nosso caso, é o português.

Todas elas são, inclusive, cobradas no CACD. E quanto mais você conseguir aprender além delas, melhor, para facilitar a sua vida no posto para o qual for enviado.

Condições exigidas

Por fim, para ser diplomata é preciso estar de acordo com algumas condições específicas exigidas para o cargo. São elas:

  • ter mais de 18 anos;
  • ter nacionalidade do país de origem comprovada;
  • estar em dia com compromissos eleitorais e militares;
  • comprovar aptidão física e psicológica;
  • apresentar diploma de graduação concluída em instituição brasileira e reconhecida pelo MEC.

Como ser diplomata no Brasil?

Para se tornar diplomata no Brasil, o último passo é realizar o concurso CACD. O processo seletivo ocorre desde 1996, uma vez por ano.

Somente com a aprovação é possível começar a exercer a profissão. O candidato aprovado inicia sua carreira como terceiro-secretário da carreira de diplomata de acordo com a ordem de classificação obtida. 

Olha só como tudo acontece:

Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD)

O concurso conta com três fases:

  • na primeira fase, é preciso encarar uma prova objetiva, com temas de Língua Portuguesa, Língua Inglesa, História do Brasil, História Mundial, Política Internacional, Geografia, Noções de Economia e Noções de Direito e Direito Internacional Público;
  • a segunda fase, por sua vez, tem provas escritas direcionadas para Língua Portuguesa e Língua Inglesa;
  • a terceira fase, enfim, exige provas escritas de História do Brasil, Política Internacional, Geografia, Noções de Economia, Noções de Direito e Direito Internacional Público, Língua Espanhola e Língua Francesa.

As duas últimas fases são de caráter classificatório e eliminatório. Ou seja, quem não passar, perde o lugar.

Nem é preciso falar que o concurso tem um nível de exigência muito alto, não é mesmo? Por isso, você deve começar a estudar o quanto antes, mesmo que ainda não tenha terminado seu curso de graduação.

Curso do Instituto Rio Branco

Conseguiu a aprovação? O passo seguinte é passar pelo curso do Instituto Rio Branco.

Ele dura 4 semestres, e inclui aulas regulares, módulos profissionalizantes e palestras, workshops e eventos com autoridades e especialistas.

O diplomata também participa de reuniões internacionais, e logo começa a negociar em nome do país. 

Tem informações seletas a respeito de formulação de políticas externas e missões no exterior. Também entende quais são as demandas e interesses de seus compatriotas.

Além de ter acesso a ferramentas e recursos de promoção à cultura da população e referências sobre segurança, paz, normas de comércio, regulamentações financeiras e muito mais. 

É aqui que tudo realmente começa na prática, viu?

No último semestre, o diplomata ainda cumpre um estágio profissional obrigatório na Secretaria de Estado das Relações Exteriores. É seu mérito acadêmico ao longo do curso que definirá seu primeiro posto.

Porém, todo diplomata começa a se preparar no Brasil, por 2 anos. E somente depois vai para o exterior, de acordo com o país escolhido.

Outro ponto importante é que o treinamento passado pelo Instituto Rio Branco é muito intenso e pesado. Sendo assim, é preciso dedicação exclusiva.

A parte boa é que ao longo dele você já recebe seu salário. O que serve como incentivo a mais para mergulhar no aprendizado e se transformar em um excelente representante de nosso País.

E aí, gostou de saber mais sobre como ser diplomata? Se essa é mesmo a profissão com a qual você se identifica, é hora de se preparar.

Afinal, você viu que não é fácil enfrentar todas as exigências da profissão. Mas começar a realizar esse sonho depende de você, e nós podemos ajudar! 

Conheça mais sobre nosso curso de Relações Internacionais e veja como ele será essencial para essa missão.