Sem tempo para ler o artigo? Escute ou faça download da narração no player abaixo e ouça quando quiser:

Você já se perguntou qual a relação entre FECAP e FAAP? Hoje resolvemos contar a história por trás dessas instituições. Se você se interessa pelo assunto, acompanhe nosso post! Aqui você descobrirá qual é o parentesco e a relação dessas fundações tão tradicionais.

O início

A FECAP, que era chamada Escola Prática de Comércio na época do seu surgimento, começou com fundos de várias pessoas e instituições interessadas no bom andamento dos negócios em São Paulo. Dentre essas pessoas, estava o Conde Antônio de Álvares Leite Penteado. Foi ele quem fez a maior doação: Rs. 10:000$000 (dez contos de réis). No total foram conseguidos Rs. 25:200$000.

As doações foram feitas em abril de 1902, para que as aulas já começassem em julho daquele ano. A pressa se justificava pela necessidade da cidade e do país terem um curso comercial.

Expansão

O sucesso e a procura pelo curso foram muito grandes. Foi tanto, que em pouco tempo a Escola teve que mudar de lugar para abrigar todos os seus alunos. Assim, o Conde, absolutamente convencido de que era necessária uma sede própria para a Escola Prática de Comércio, doou um terreno situado no Largo São Francisco. A Escola decidiu então homenagear seu benfeitor em 1907. Assim, a passou a chamar-se Escola Prática de Comércio Álvares Penteado.

FECAP e seu parentesco com a FAAP

Relação da FECAP e FAAP

O mesmo Conde comprou o terreno que hoje abriga a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) de Victor Nothmann e Martinho Burchard. Eles eram dois comerciantes alemães que adquiriram e lotearam em 1890 algumas terras na região onde hoje é o bairro do Pacaembu.

Nele, havia uma nascente para fornecimento de água. Essa era uma solução importante, principalmente porque ainda não existia rede de abastecimento de água na cidade.

O fundador da FAAP, Armando, era filho de Antônio (benfeitor da FECAP) e de Anna Paulina Lacerda Penteado. Ele havia idealizado um centro cultural, que foi fundado apenas em 1947, por meio da doação de seus bens e terrenos herdados da família. Além disso, ele doou à Entidade seu acervo original de artes plásticas. Armando casou-se com Annie Alwis, uma mulher francesa, mas não deixaram descendentes.

 

Veja também:

 

Tudo em família

O irmão de Armando, Sílvio Álvares Penteado, presidiu o Conselho da FECAP entre 1912 e 1956, honrando o desejo do pai. Em 1949, Sílvio e Armando doaram a casa que moraram com seus pais, a Vila Penteado, à USP, para que ali fosse instalada a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Com esse ato, os dois irmãos foram agraciados com o título de Doutores Honoris Causa da Universidade de São Paulo.

Silvio casou-se com Honorina Álvares Penteado e tiveram um filho, Honório Álvares Penteado, que se tornou membro do Conselho da FECAP em 1951 e participou das decisões da Fundação durante 44 anos. Por fim, deixou a missão familiar de Presidente Honorário do Conselho Curador da FECAP para seu filho, Silvio Álvares Penteado Neto. Silvio formou-se em Artes Plásticas, com Licenciatura, na FAAP em 2000.

Conclusão

Pode-se concluir que a FECAP descende diretamente do Conde Antônio de Álvares Leite Penteado, empreendedor de São Paulo. Por conta disso, desde seu início, a Fundação possui cursos ligados ao comércio e aos negócios, seu verdadeiro DNA. A FAAP foi fundada pelo filho do Conde Antônio, Armando, pessoa absolutamente ligada à cultura e às artes. Sendo assim, pode-se considerar a FAAP “irmã mais nova” da FECAP.

E então, entendeu a relação entre FECAP e FAAP? Se tiver alguma dúvida entre em contato conosco!