A procura pelo curso de Relações Internacionais tem aumentado a cada ano. Um dos motivos é a globalização e seu consequente rompimento de fronteiras.

Se você está pensando em fazer essa faculdade e quer se informar mais sobre ela, chegou ao lugar certo! 

Neste post, vamos dar detalhes sobre a graduação em RI. Leia até o final para esclarecer suas dúvidas!

O curso de Relações Internacionais

A graduação em Relações Internacionais tem duração média de 4 anos. Em algumas faculdades, há acréscimo de dois semestres na grade curricular.

O internacionalista – como é chamado quem se forma nessa área –, dentre outras funções, é responsável por mediar conflitos e promover aproximação entre países. Essa é uma atividade muito importante e com grande caráter estratégico para governos e empresas privadas. 

Saiba o que esperar do curso e como identificar se você tem perfil para realizá-lo.

Baixe aqui!

Grade curricular

A grade curricular de Relações Internacionais é bastante teórica nos primeiros semestres. Por isso, é muito importante que o universitário goste de ler e de estudar.

A partir da metade da graduação, o estudante passa a ter os conteúdos mais práticos. As matérias concentram-se em três grandes áreas: História, Economia e Direito. 

Portanto, é legal ter alguma identificação com esses assuntos. Pensamento analítico e afinidade com números são grandes diferenciais para que o universitário tenha um bom desempenho. 

Aulas práticas

Os últimos semestres do curso de Relações Internacionais são dedicados à parte prática. Algumas disciplinas incluem simulações de situações reais para treinar as habilidades do futuro profissional, como oratória e negociação. 

As atividades são individuais ou em grupo e procuram repetir situações reais de negociação política ou diplomática.

Esses momentos são fundamentais para que o estudante pratique sua comunicação e seu poder de persuasão sobre os demais. Além disso, permitem que ele tenha certeza de que escolheu a profissão certa antes mesmo de se formar

Perfil do aluno

Entenda como é o curso de Relações Internacionais

Esse é o curso ideal para pessoas que:

  • têm paixão por conhecer novas culturas;
  • adoram aprender novos idiomas falar pelo menos inglês e espanhol é essencial. Mandarim e francês têm sido muito demandados pelo mercado;
  • amam acompanhar o noticiário político;
  • gostam de estudar fatos históricos;
  • se incomodam com conflitos geopolíticos entre países;
  • estão em busca de uma profissão que tenha impacto social;
  • têm o hábito de ler muito;
  • adoram analisar problemas e discutir diferentes pontos de vista sobre ele;
  • são estrategistas por natureza. 

Quem se identifica com três ou mais pontos listados acima, está no caminho certo! Deve continue estudando para o vestibular, pois tem tudo para ter um futuro brilhante e promissor. 

Relações Internacionais x Comércio Exterior

É muito comum que as pessoas se confundam sobre qual das áreas seguir: Relações Internacionais ou Comércio Exterior. Isso acontece porque as duas atividades são bem próximas no dia a dia. 

O profissional de Comércio Exterior é responsável por fazer todos os cálculos ligados à internacionalização de uma empresa. Já o internacionalista, mapeia riscos e atua como mediador entre as nações.

Assim, é possível dizer que Relações Internacionais é mais indicado para quem se interessa por interpretação de cenários. Ou seja, é ideal para pessoas que desejam planejar estratégias e criar planos de ação. 

Mensalidade

Quem vai prestar vestibular pode escolher entre as universidades públicas e privadas. Ambas têm boa aceitação no mercado de trabalho e são regulamentadas pelo Ministério da Educação (MEC). 

As instituições privadas têm boa qualidade de ensino e oferecem mais estrutura para conclusão do curso no tempo regular. Há excelentes professores e pesquisadores nesses locais.

O valor médio da mensalidade em faculdades particulares gira em torno de R$1200. Quem precisa de ajuda para custear os estudos, pode recorrer ao FIES ou ao Prouni.

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho para o internacionalista se ampliou muito nos últimos anos. A fragilidade das fronteiras físicas e geopolíticas requer a sua atuação profissional em vários aspectos.

Quanto maior a qualificação do analista de Relações Internacionais maior sua empregabilidade. Por isso, além da faculdade é preciso investir na educação continuada. 

Saiba como estão as vagas nesta área:

Estágio

Algumas instituições de ensino exigem o cumprimento do estágio curricular para conclusão do curso, porém, são minoria. Na maior parte das faculdades, o estágio é extracurricular. 

Mesmo que a sua faculdade não peça esse requisito, é recomendado procurar esse tipo de vaga. Afinal, é através dela que você aprenderá, na prática, como é a rotina da profissão.

O melhor momento para procurar estágio é a partir do quarto período. Nessa fase, você já terá avançado na base teórica e estará pronto para começar a vivenciar a sua atividade.

Entenda como é o curso de Relações Internacionais

Emprego

Tradicionalmente, a maior parte das vagas de emprego ainda estão ligadas aos órgãos públicos como ministérios, embaixadas e secretarias. Porém, há uma demanda progressiva em empresas privadas.

O número de oportunidades tem crescido principalmente, em multinacionais e empresas que desejam expandir os negócios no exterior. Por isso, é comum encontrar vagas que exijam mudança de país

A faixa salarial varia de R$1.200 em início de carreira a R$20 mil em cargos de gerência e alta gestão.

Concurso público

Quem deseja atuar no setor público deve estar preparado para participar de concursos. Esse é um ramo que atrai muitos recém-formados devido à estabilidade e aos benefícios da carreira. 

A função de diplomata é a mais procurada devido aos altos salários. Para chegar a esse cargo, o internacionalista deve ser aprovado em processo realizado pelo Instituto Rio Branco.

O salário deste profissional pode chegar a R$25 mil. Isso sem falar dos benefícios. Tentador, não é mesmo!?

Habilidades

Independentemente do ramo, é importante ter ciência que o mercado de trabalho exige que o internacionalista esteja sempre se reciclando. Estar atenado com o que acontece no mundo inteiro é fundamental neste ramo. 

Os recrutadores estão em busca de profissionais que:

  • estejam sempre atentos às movimentações geopolíticas;
  • tenham um bom olhar analítico sobre os fatos à sua volta;
  • dominem as habilidades de comunicação escrita e oral;
  • tenham facilidade para interpretar dados e lidar com números;
  • saibam resolver problemas complexos;
  • não tenham preconceito com culturas diferentes;
  • pratiquem a empatia no dia a dia;
  • possuam domínio técnico das suas atividades.

Rotina

No dia a dia, a rotina do internacionalista é bem dinâmica. Por isso, é essencial ter flexibilidade e facilidade para transitar em diversos níveis na empresa. 

É função deste profissional:

  • estudar panoramas e levantar hipóteses e conclusões;
  • criar planejamentos para expansão internacional das empresas;
  • mapear riscos;
  • interferir em conflitos buscando a resolução;
  • facilitar a comunicação em variadas instâncias;
  • estudar e implementar parcerias e planos de cooperação;
  • facilitar acordos políticos;
  • processar dados e executar despachos aduaneiros;
  • planejar e realizar projetos de pesquisa científica;
  • gerir investimentos, identificando oportunidades para aplicá-los.

Como foi possível notar, o curso de Relações Internacionais abre um grande volume de possibilidades para quem o conclui.

Essa é uma carreira em plena ascensão, que promete se destacar ainda mais nos próximos anos. Quem deseja aproveitar essas oportunidades deve começar a se preparar agora!

Que tal aproveitar a chance? Descubra muito mais sobre o curso de RI clicando neste link.

Baixe aqui!